Pages Menu

Postado por em 28 mar 2014 em Água salgada, Destaque, Fishing Stories | 15 comentários

A melhor pescaria da minha vida em Itacaré / Bahia

A melhor pescaria da minha vida em Itacaré / Bahia

Salve amigos pescadores.

É com grande satisfação que venho relatar a vocês essa pescaria onde quebrei vários recordes e tabus da minha vida, entre eles:

  • Primeiro peixe no jig pesado
  • Primeiro atum
  • Atum de mais de 10 kgs
  • Maior peixe da minha vida

Enfim, por essas e outras que eu considero essa pescaria de Itacaré uma das melhores que já fiz até hoje.

Os preparativos

Por se tratar de uma pescaria que eu nunca tinha feito antes, fiquei com uma série de dúvidas sobre materiais e equipamentos, além disso, esta seria minha primeira pescaria na qual precisaria voar até o destino e isso também implica numa série de cuidados com peso de bagagem e proteção de varas.

Com a ajuda de amigos e de uma balança digital eu consegui finalmente na segunda-feira 17/03/2014 fechar uma bagagem de 8 Kgs (minha cota era 23 o que quer dizer que poderia trazer 15 kgs de peixe, hehehe) porém nestes 8 kgs tinham dois chumbos de pargueira de 1 Kg que eu pretendia largar lá na volta. Os equiptos escolhidos para a aventura foram:

No tubo de Pvc, protegidas com papel higienico e panos: (Sim eles não cuidam muito bem da sua bagagem despachada e você precisa garantir uma boa proteção e que as varas fiquem bem presas no interior do tubo)

  • Vara Sumax Tubarão PE 6-8.
  • Vara JM power spell Pe8.
  • Vara shimano carbomax 17 lbs.

Na mochila despachada:

  • 5 jigs de 280 a 400 gramas (Eles tem lá na operação por isso levei poucos)
  • Linha fluor 0,80 mm Vexter
  • 4 pargueiras by Mo Radical Fishing (Tio Marcola)
  • 10 suport hooks de tamanhos variados
  • 2 chumbos de 1 Kg
  • 2 Rapalas e 2 fusion shads para o currico.(Vacilei e não levei minhas Magnum grandes)

Na bagagem de mão

  • 3 mudas de roupa
  • Caregador de celular e cabo da carreta elétrica
  • Molinete Stradic 8000
  • Carretilha Electra 500 xp
  • Molinete mitchel
  • Boné, buff e luva
  • Protetor solar e repelente
  • Camera fotográfica
  • Óculos polarizado

Apoś todo o trabalho em preparar a bagagem segui as 6:00am do dia 18/03/2014 para o aeroporto de Guarulhos em SP onde as 9:00am já estava decolando rumo a Brasilia e depois rumo a Ilhéus, na Bahia, onde cheguei por volta das 13:00pm.

 

A chegada.

Sempre da um medo na hora de retirar a bagagem despachada, se suas varas e jigs vieram, no meu caso graças a Deus chegou tudo certo.

Equipamento chegou inteiro no aeroporto Jorge Amado.

Equipamento chegou inteiro no aeroporto Jorge Amado.

No Aeroporto ainda esperei pelo voo do companheiro Lucera que chegaria 2 horas depois para divir-mos o transfer até Itacaré.

Enquanto eu esperava tentei arrumar Lula ou Camarão para as Pargueiras, porém é bem difícil por lá. Minha dica é que leve de são paulo, pois segundo os guias locais as capturas aumentam muito com estas iscas.

Assim as 16:00pm encontrei o Lucera e partimos pra Itacaré na Hylux do Origenez chegando lá por volta de 18:30pm.

 

As acomodações

A Itacaré Pesca dispõe de dois parceiros de hospedagem, a casa do Zé de Véia e a Itacaré Fishing House, Eu optei pela primeira por ser mais simples e por eu estar hospedado sozinho e o Zé cobrar por pessoa e não o valor do quarto cheio.

A suite do Zé é muito bem ajeitada e dispõe de ar-condicionado, frigobar e Tv.

A bela suite da hospedagem do Zé da Veia.

A bela suite da hospedagem do Zé da Veia.

O belo quarto onde me instalei.

O belo quarto onde me instalei.

Além disso quem se hospeda alí tem a vantagem de ser acordado pelo Zé para a pescaria e por isso nunca perder a hora. Além é claro de poder tirar dúvidas com ele antes da pescaria.

Enquanto a ansiedade não me deixava dormir aproveitei para montar os Equiptos e ja dar os devidos Nós de leader (SF) apesar do medo acho que aprendi dar bem esse nó, pois eles foram testados ao Limite nos dias seguintes…

as armas prontas para a batalha.

as armas prontas para a batalha.

 

O primeiro dia de pesca em Itacaré

Acordei com o Zé batendo na porta as 5:00 da manhã, por lá pode-se optar por sair bem cedo! melhor horário para realizar a pescaria.

Perto das 5:20am pegamos o Bote na praia e seguimos remando até a traineira do Zé para o primeiro dia de combates.

Saindo da praia bem cedinho.

Saindo da praia bem cedinho.

Um belo dia surgia no horizonte.

Um belo dia surgia no horizonte.

O trajeto até o ponto de pesca é breve e lembra muito as pescarias aqui no Perequê em SP, com excessão é claro da profundidade que é de 250 metros ao invés dos 25 daqui… rsrsrs

Largamos equipamentos pesados pro currico com Lulinhas ou Rapala Magnum, mas Também largamos equipamento light pois precisávamos de iscas.

Eu fui o primeiro a tirar o dedo na Bahia, um micro-atum que segundo o Zé era excelente como isca viva.

O primeiro atunzinho da minha vida

O primeiro atunzinho da minha vida

Como o pessoal não deixou de me zoar por pegar o menor peixe ja visto na bahia eu tratei de dar o troco e pegar uma isca melhorzinha. rsrsrsr

Uma isca um pouco maior no currico.

Uma isca um pouco maior no currico.

Começamos tentando com atum vivo e Jig, porém no primeiro poço (Buraco do olho de boi) não houveram ações, então partimos pro poço das pargueiras e por lá achamos alguma coisa…

Primeiro o Mauro capturou alguns vermelhos.

Enfim achamos os vermelhos.

Enfim achamos os vermelhos.

E depois eu comecei a brincar também…

Era divertido pesca-los na pargueira.

Era divertido pesca-los na pargueira.

Além dos tradicionais vermelhos as vezes subia um vermelho mais ornamental…

As vezes entrava um desses! peixe muito bonito !

As vezes entrava um desses! peixe muito bonito !

Tentamos trocar de ponto várias vezes! e nas mudanças as vezes curricáva-mos um pouco pra garantir iscas…

Nos deslocamentos garantia-mos mais iscas.

Nos deslocamentos garantia-mos mais iscas.

O jeito foi brindar com o companheiro Lucera par esperar a sorte!

Um brinde pra chamar melhor sorte

Um brinde pra chamar melhor sorte

A sorte até veio, mas não ficou no anzol… peguei dois peixes e meio na pargueira! hahaha

Uia quase! ja pegaram dois peixes e meio ?

Uia quase! ja pegaram dois peixes e meio ?

Nos pontos mais profundos a sonda seguia limpa.

No fundo a coisa tava meio limpa...

No fundo a coisa tava meio limpa…

Porém no primeiro poço do dia a sonda indicava um belo cardume, me animei a aprender a jigar…

mas nos 100 metros havia um belo cardume.

mas nos 100 metros havia um belo cardume.

E não deu outra!! P primeiro peixe no jig a gente nunca esquece, ainda mais no jig manual…

Meu primeiro atum de verdade! e primeiro peixe no jig.

Meu primeiro atum de verdade! e primeiro peixe no jig.

O Zé que ja eh um Master of Jig seguia pegando vários atuns…

O zé e seus dois atuns.

O zé e seus dois atuns.

Mas como ja estava dando a nossa hora, tivemos de zarpar… O Lucera quase saiu com o dedo atolado… não fosse ele ser salvo pelo currico na volta…

Lucera tirando o dedo aos 45 do segundo tempo.

Lucera tirando o dedo aos 45 do segundo tempo.

Boa lucera ! salvo nos acréscimos.

Boa lucera ! salvo nos acréscimos.

O primeiro dia ja havia sido muito divertido pra mim, porém o pessoal que conhece Itacaré tinha achado o dia bem fraco…

Na volta ainda tratei de curricar para pegar umas iscas pro dia seguinte.

Na volta capturei mais umas iscas pro dia seguinte.

Na volta capturei mais umas iscas pro dia seguinte.

 

O  segundo dia de pesca em Itacaré

Confesso que pra levantar as 5:00 no dia seguinte é bem díficil! O corpo ainda sentia a quebradeira provocada pelo balanço e pelas jigadas manuais pesadas… Para fazer 3 ou 4 dias de pesca seguidos é necessário muito preparo! Ainda mais porque eu viria a descobrir que o segundo dia me moeu muito mais que o primeiro! Fui literalmente moido pelos gigantes peixes bahianos.

Porém apesar da dor no corpo, chegar na praia e ver essa natureza ja faz qualquer um recuperar as energias…

O segundo dia amanheceu ainda mais lindo.

O segundo dia amanheceu ainda mais lindo.

O segundo dia amanheceu ainda mais bonito que o primeiro!

O mar liso e sem vento.

O mar liso e sem vento.

Assim como no primeiro dia o plano era começar jigando e descendo atum vivo no poção do olho de boi…

Seguimos a toda pro poção dos olhos de boi.

Seguimos a toda pro poção dos olhos de boi.

No currico da ida, não bateu nada nas iscas grandes porém a minha vara pegadora de iscas estava representando…

Uma bela isca que seria usada viva.

Uma bela isca que seria usada viva.

Mal chegamos no ponto e eu optei por jigar, porém o ajudante Mauro quis aproveitar o atum ainda vivo e ai não deu outra…

E não deu outra, Olho de boi pego na isca viva!

E não deu outra, Olho de boi pego na isca viva!

Um belo Olho de boi veio nos saudar…

Olho de boi!

Olho de boi!

Porém minha decisão de jigar foi logo recompensada com uma belíssima batida!

Um belo atum no jig.

Um belo atum no jig.

E pouco depois mais outra!! Pronto viciei no jig! hehehe

Doublês eram constantes.

Doublês eram constantes.

O Maurão pegou esses dois bitelos na isca viva, uma pitangola e um olho de boi, porém como é tímido não quis aparecer nas fotos, então eu e o Zé posamos com os monstros das profundezas.

Pitangola e olho de boi.

Pitangola e olho de boi.

A expectativa de pegar um olho de boi no jig era grande por todos, até que o Lucera conseguiu a façanha!!

Lucera brigando com um gigante Olho de boi.

Lucera brigando com um gigante Olho de boi.

chegamos a ver o Olho de boi, porém ele levou a melhor perto da superfície…

Infelizmente o danado fugiu!

Infelizmente o danado fugiu!

Quando os jigs deram uma fracassada nas ações partimos pra descançar o braço digo pargueirar no profundo! Poço com 250 metros… e por lá eu mal desci a pargueira preparada com pedaços de atum e não deu outra!! um Saramonete ou gorá como é conhecido na região…

Saramonete ou gorá.

Saramonete ou gorá.

Entre iscas roubadas e anzois abertos mais um gorá veio a tona! sim dois anzois de pargueira abriram na boca de algum monstro!! segundo os locais possivelmente badejões! eu perdi um e o Lucera um! Na próxima levarei somentes anzois gamakatsu.

mais um saramonete.

mais um saramonete.

Pouco depois eu fisguei um monstro!! Só me restava torcer pro anzol não abrir… mas graças a Deus não abriu! E pude capturar o maior peixe da minha vida até então… um Lírio de 15.265 Kgs pesado na hora !!

Um Lírio e mais um gorá.

Um Lírio e mais um gorá.

Este merece mais uma foto!

Mais uma desses peixes notáveis.

Mais uma desses peixes notáveis.

Depois deste ja estava tremendo e em minha cabeça ja tinha mais do que valido a pena!! ja havia pego atum de 8 kgs, peixe de 15 !! eita Bahia de todos os peixes !!

Curioso que pescando 20 anos em mar paulista eu não tenha nem chego perto desse recorde! infelizmente nosso litoral esta batido mesmo…

De volta a pescaria, mais um gorá veio na pargueira!! e o guia ainda dizia que se invés de Atum tivéssemos sardinha pra pargueira seria um gorá atrás do outro! #ficadica

Mais um gorá pra fechar com chave de ouro.

Mais um gorá pra fechar com chave de ouro.

O Lucera que nãoq euria ficar por baixo, também descontou o meu Lírio com um belo Batatão! na casa dos 9 kgs…

Um belo batatão!

Um belo batatão!

Depois de encerrar as possibilidades com a pargueira e ja dando a nossa hora de retorno, decidimos voltar e jigar mais um pouco no famoso poço dos Olhos de boi!

Não deu outra, mal chegamos e o comandante Zé da veia ja levantou o dele…

E no point do jig, mais atuns...

E no point do jig, mais atuns…

Pouco depois um batida violenta seguida por uma luta que me exauriu trouxe a tona o maior Atum da expedição e maior da minha vida até então!! 12,234 kgs de pura brutalidade!! haja braço !!

Pra encerrar a expedição com chave de ouro o maior!

Pra encerrar a expedição com chave de ouro o maior!

Depois desse o Zé e Lucera ainda pegaram um cada um, mas eu ja entreguei os pontos… com as costas queimando e os braços cansados só podia pensar: “Itacaré deve significar lugar dos peixes gigantes”

Meus dois chumbos ficaram no fundo do mar junto com um jig, então podia trazer 17 kgs de filé para São Paulo… sobrou muito peixe lá pra alegria do Zé que os vendeu!

Considerações Finais

Eh isso meus amigos, fiz a melhor pescaria da minha vida em Itacaré. Recomendo fortemente a itacaré pesca e o Zé da véia que além de um baita piloteiro e pescador é um cara muito gente boa!

E tenho que dizer que mesmo pescando só em 2 e podendo ser até 4! e mesmo pescando dois dias a pescaria lá incluindo passagem saiu mais barata que as pescarias aqui na plataforma de um dia só… acreditem se quiser!

Na volta do ultimo dia ainda fizemos(eu fiz mesmo no caso) sashimi, ceviche e atum grelhado lá na pousada Itacaré-house ! bom demais, fechei com chave de ouro a minha pescaria nas águas baianas… e na sexta de manhã quando entrei na vã rumo a Ilhéus para voltar pra Sp a saudade e a vontade de marcar a proxima ja me apertavam!!

Abração…
Pleffer.

  • Augusto Baptista

    Show de bola !!! quero saber dos valores para fazer a pescaria !!! abraços

    • Tiago Pleffer

      vlw guto !!

      o custo da traineira x dia é 1000,00 para 4 pessoas… então num grupo de 4 pescadores gasta-se por dia uns 320,00
      250,00 barco
      50,00 hospedagem
      20,00 jantar come a vontade.

      o voo até ilhéus com antecedencia sai na faixa de 400,00 ida e volta e o transfer ilhéus x itacaré sai 30,00 por pescador indo em 4.

      Abração.

  • Thiago Araujo de Oliveira

    show de relato

  • vitor

    Bela pescaria,
    voce poderia colocar os custos da pescaria?

    abraço

    • Tiago Pleffer

      Boa tarde amigo! obrigado por comentar!
      o custo da traineira x dia é 1000,00 para 4 pessoas… então num grupo de 4 pescadores gasta-se por dia uns 320,00
      250,00 barco
      50,00 hospedagem
      20,00 jantar come a vontade.

      o voo até ilhéus com antecedencia sai na faixa de 400,00 ida e volta e o transfer ilhéus x itacaré sai 30,00 por pescador indo em 4.

      Abração.

  • alexandre

    Boa pescaria. Parabéns. Passa o contato do local. Abraço

  • Felipe Casemiro

    Primeiramente parabéns pela pescaria. Show, emocionante. Agora lhe faço uma pergunta em relação aos materiais. Eles fornecem também ou a pessoa leva seus equipamentos? Abraços e mais uma vez parabéns.

    • Tiago Pleffer

      Amigo obrigado pelos comentários, Eles locam carretilha elétrica e vara e emprestam os jigs, você pode ir sem material nenhum se você quiser! só é conveniente levar umas 3 pargueiras daqui o restante tem lá.

  • Felipe Casemiro

    Pleffer, acompanho seus relatos desde o pescaki, você e o banzai sempre mandando ver. Parabéns pela pescaria, é muito bom podemos ver que ainda existem lugares assim aqui no Brasil, uma pena que aqui no RJ não tenha mais isso, ou pelo menos por um preço acessível. Gostaria de tirar algumas dúvidas.

    Estive olhando o site da Itacaré pesca e fiquei com duas dúvidas, lá eles não mencionam a hospedagem na casa do zé da véia, então como faço para marcar a hospedagem lá ? é na hora mesmo ou agenda isso antecipado ? Quanto aos equipamentos eles alugam materiais além da carretilha eletrica? as iscas de corrico eles tem também ?

    Se puder ajudar ao amigo fico grato.

    • Tiago Pleffer

      Olá amigo. Obrigado pelos comentários!
      ao ligar pro Reginal Lucera (11) 98060-2988, você pode mencionar que pretende se hospedar na casa do Zé e ele ja cuida da agenda, eles estão pra atualizar o site e incluir essa opção lá, ainda não esta por ser muito nova!

      Materias eles emprestam jigs, e vara e carreta elétrica são locadas… cinto de combate e alicates também são emprestados, agora isca de corrico ainda não tem por lá, então é bom você levar de Sp mesmo.

      Abração…
      Pleffer.

  • Reginaldo lucera

    Valeu galera, foi um prazer pescar com amigo Pleffer, com certeza virão muitas outras.

  • flavio oliveira

    show de bola gostaria de saber qual a quantidade de peixe que pode trazer

    • Tiago Pleffer

      Olá amigo, na verdade isso depende da compania aérea, quando você for adiquirir a passagem tem o total da franquia que no meu caso foi de 23 Kgs, como eu tinha 6 kgs de tralha pude trazer somente 17 kgs de peixe sem pagar por kg/extra, o preço do kg/extra varia de acordo com a companhia aérea escolhida também.

      uma dica que te dou caso pretenda trazer muito peixe é ir de carro, porque ai o limite serão suas caixas de isopor e lembrando que itacaré fica a 1200 km de Sp são 14 horas de viagem…

      o barqueiro fileta tudo pra diminuir peso, mas mesmo assim muito peixe ficou lá pra que os barqueiros vendessem, ja que o pesque e solte em altas profundidades é muito inviável…

      Abração…
      Pleffer.

  • ARNALDINO SAIOR

    isto é o que podemos chamar de pescaria !!! parabéns……só peixes bons ….de primeira. também gosto dessas aventuras . no carnaval deste ano fiquei 3 dias em auto mar , a 30 milhas da costa saindo da barra de guaratiba no R.J. .gostaria de pescar neste local ; vc poderia me passar o n. de contato do sr zé ? . vou lhe enviar algumas algumas imagens , mais, não se assuste . abraços att:dinosaior

  • Pingback: De volta a Bahia de todos os peixes! Um paraíso chamado Itacaré! | Fishing Stories()