Pages Menu

Postado por em 29 jan 2016 em Água salgada, Destaque | 0 comentários

Bicudas no Perequê (Guarujá/SP)

Bicudas no Perequê (Guarujá/SP)

Olá amigos pescadores!

Depois de um bom tempo sem pescar no Perequê com o capitão Fernando finalmente a tão esperada pescaria de bicudas havia chegado. Já havia reservado essa data com alguns meses de antecedência, pois a época de verão é muito visada pelos pescadores, aliás fiquei sabendo que seus sábados já estão ocupados até maio! Barqueiro bom é assim mesmo, com a agenda lotada!

Chegamos no Perequê por volta das 7am, e por lá a primeira tarefa foi encontrar a sardinha ideal para este tipo de pescaria. Ficamos sabendo através do cap. Fernando que a sardinha de bom tamanho e com melhor qualidade era a do Sr. João, que possui um estacionamento em frente a praia do Perequê. O único problema foi encarar o preço que estava tão salgado quanto a água do mar, custando R$10 o quilo. Em 4 pescadores o recomendado pelo Fernando é de levar 7 quilos de sardinha + 2 pcts de gelo, o que deu um total de R$90,00.

Ainda passamos na banca da dona Nair, que fica logo ao lado, para comprarmos meio quilo de camarão para tentar as corvinossauras perdidas pelo mar. Apesar de teoricamente ser verão, a água do mar tem oscilado bastante e justo nessa semana a temperatura da água despencou de 27º para 23,5º.

Iscas compradas e tralhas descarregadas, hora de embarcar!

Cap. Fernando Itano preparando a "chatinha" para nos levar até sua traineira

Cap. Fernando Itano preparando a “chatinha” para nos levar até sua traineira

Neste sábado saíram muitas traineiras e todas estavam aglomeradas na faixa dos 16-17 metros de profundidade. Era por lá que prometiam estar as bicudas.

Depois de cerca de 50 minutos de navegação chegamos ao primeiro ponto de pesca nos 16 metros, por lá lançamos as sardinhas na tradicional montagem de “linha boba”, chicote que utilizamos sem chumbada apenas com a sardinha iscada ao sabor da correnteza, ficando assim na faixa da profundidade que as bicudas costumam atacar, cerca de 2 a 3 metros pra abaixo da linha da água.

Logo na primeira sardinha meu primo Alan já fisga o primeiro peixe do dia.

Alan e a primeira bicuda do dia

Alan e a primeira bicuda do dia

Em seguida também fisgo a minha!

Meu primeiro peixe do dia!

Meu primeiro peixe do dia!

Acertamos o point na mosca! Porém as bicudas ainda estavam muito manhosas, não estavam atacando a sardinha cortada pela metade, muito menos iscada inteira. O jeito foi iscar a sardinha em filés com anzol, desta maneira a bicuda não tinha escapatória, era fisgada certeira!

Bicudinha no filé de sardinha

Bicudinha no filé de sardinha

No geral estavam muito miúdas, diferente dos torpedos que costumamos encontrar nesta época. Mas de vez em quando apareciam umas mais gordas e maiores.

Bicudas de tamanhos variados

Bicudas de tamanhos variados

Bicuda já de bom porte

Bicuda já de bom porte

Além das Bicudas, de vez em quando apareciam grandes Guaiviras proporcionando boas brigas! E quem estava com a sorte do dia foi o Alan, que enjoou de pegar bagre e baiacu e resolveu pegar uns peixinhos melhores.

Guaivira fisgada por Alan

Guaivira fisgada por Alan

Mais uma bela Guaivira que deu um baita susto em sua arrancada

Mais uma bela Guaivira que deu um baita susto em sua arrancada

Um outro peixe que resolveu dar as caras foi um pequeno cação, que foi liberado logo em seguida. Conversando pelo Whatsapp com o amigo Marcelo Lanzara, lá pelos 20 metros está cheio de cações já na faixa dos 2 a 3 quilos.

Caçonete

Caçonete

O Alan depois de muito insistir no camarão morto no fundão consegue erguer um belo troféu não muito comum nesta época. Uma corvinossaura de verão! Utilizando o nosso tradicional chicote corvineiro.

Corvina de verão

Corvina de verão

Junto da corvina, veio também um vento frio danado seguido de uma chuva muito forte em alto mar. Tempo maluco não?

Inverno Verão no Perequê

Inverno Verão no Perequê

Mais maluco ainda foi na hora de voltar, por volta das 16hrs um sol de rachar apareceu, limpando toda região litorânea.

Corricando no trajeto de volta

Corricando no trajeto de volta

Voltamos o trajeto todo corricando, porém sem nenhuma ação

Voltamos o trajeto todo corricando, porém sem nenhuma ação

Chegada na praia do Perequê

Chegada na praia do Perequê

E assim terminamos mais uma pescaria a bordo da traineira do cap. Fernando. Uma pescaria que deu pra matar a saudade das bicudas mas que ainda deixou saudades dos Dourados e Prejerebas que costumam dar as caras nesta época.

Pessoal que nos ajuda com a limpeza dos peixes

Pessoal que nos ajuda com a limpeza dos peixes

Abraços e boas pescarias!

André Nagae