Pages Menu

Postado por em 7 jul 2014 em Água salgada, Destaque, Fishing Stories | 6 comentários

Dia do Pescador no Perequê (Guarujá / SP)

Dia do Pescador no Perequê (Guarujá / SP)

Bom dia amigos pescadores!

No mesmo dia em que o Pleffer matou a saudade do Montão do Trigo no dia do pescador, eu, meu pai e meu primo Alan fomos até a praia do Perequê (Guarujá/SP) para mais uma pescaria de traineira com o guia Fernando Itano, em nossa primeira pescaria de inverno na região do cascalho.

O experiente guia Fernando Itano no amanhecer no Guarujá

O experiente guia Fernando Itano no amanhecer no Guarujá

As notícias eram de que as Corvinossauras, desta época fria do ano, ainda estavam muito ativas e ainda mais graúdas do que a nossa pescaria anterior. Portanto a ansiedade em fazer mais uma pescaria com grandes e esportivos exemplares de Corvinas era muito grande!

Chegamos no Perequê por volta das 6:30, onde nos deparamos com o belo amanhecer em um dia parcialmente nublado.

Condições do tempo pelo aplicativo MyFS

Condições do tempo pelo aplicativo MyFS

O Dia do Pescador é muito festejado no Perequê, devido aos diversos pescadores profissionais de arrasto trabalharem na região. Sendo o padroeiro dos pescadores do Perequê o São Pedro, o pessoal se reuniu em uma bonita festa para fazer a tradicional procissão de barcos homenageando este importante dia para a comunidade caiçara.

Preparativos para a procissão em homenagem a São Pedro

Preparativos para a procissão em homenagem a São Pedro

Após registrar algumas fotos, logo compramos as iscas na banca da Nair na própria orla do Perequê, embarcamos e partimos rumo aos 17 metros de profundidade, local onde o Fernando nos levaria para mais uma pescaria.

Alan iniciando os trabalhos no currico

Alan aprontando o equipamento para curricar

Iniciando os trabalhos com o currico, meu pai de cara fisga um peixe-espada em sua isca matadeira: Rapala Magnum.

Espraga fisgada na isca Rapala Magnum no currico

Espraga fisgada na isca Rapala Magnum no currico

Chegando nos 17 metros, já pudemos observar pelo sonar que uma boa quantidade de peixes circulavam na meia-água e superfície. Como a época já não é propícia para os Dourados-do-mar e bicudas, o único peixe que poderia estar dominando essa faixa de profundidade eram as famosas Espragas.

Sonar apontando a presença de peixes na faixa entre a meia-água e superfície

Sonar apontando a presença de peixes na faixa entre a meia-água e superfície

Descendo o material de camarão morto com a montagem de chicote para corvina lentamente, percebemos que os peixes estavam atacando logo na caída da isca na meia-água. E foi batata! Um baita espraga de respeito apareceu para mostrar quem estava dominando o local.

Peixe-Espada com mais de 1,5 metros e 2kg!

Peixe-Espada com mais de 1,5 metros e 2kg!

Mas como o foco não era o peixe-espada, fomos persistindo no camarão lá no fundão do cascalho com o foco nas corvinossauras. E não demorou muito até que o mestre Fernando Itano mostra-se quem era que estávamos procurando.

Fernando e a primeira Corvinossaura do dia

Fernando e a primeira Corvinossaura do dia

E foi só caprichar na “coxinha de camarão” que também garanti a minha pré-histórica. É como diz o Fernando: “Isca grande, peixe grande”.

Minha primeira corvinossaura do dia!

Minha primeira corvinossaura do dia!

Devidamente com o seu fish-in registrado pelo app MyFS

Devidamente com o seu fish-in registrado pelo app MyFS

Nisso o meu primo Alan que seguia com a sardinha boiada só pegava peixe “bom”, todos acima da medida de 1 metro hahaha!

Alan abrindo a sua contagem com um espada

Alan abrindo a sua contagem com um espada

Alan, o rei das espragas!

Alan e uma espada "já de medida"

Alan e uma espada “já de medida”

Detalhes da dentição do peixe-espada

Detalhes da dentição do peixe-espada

Meu pai, mantendo a sua tradição com a vara robaleira lá no fundão, capturou logo uma bela corvina, essa já superando os 2kg.

Primeira corvinossaura do meu pai

Primeira corvinossaura do meu pai

Mas para capturá-las, não foi tão fácil assim!

Neste dia estavam muito manhosas, exigindo do pescador muita atenção nas mínimas beliscadas e ficando muito atento para efetuar a fisgada na hora exata. Algumas delas chegavam a beliscar o camarão assim como os peixes papa-terra e roncadores fazem, apenas com pequenos trancos na ponta da vara. Muitas vezes era necessário acompanhar o peixe levando a isca lentamente até sentir o momento exato, deixando até a fricção do molinete bem solto e depois fisgar com firmeza. Demoramos um certo tempo para entender.

Mas assim que pegamos o jeito, era uma atrás da outra!

Mais uma bela corvina embarcada

Mais uma bela corvina embarcada

Detalhe do anzol Circle Hook bem fisgado na lateral

Detalhe do anzol Circle Hook bem fisgado na lateral

De vez em quando alguns ladrõezinhos de iscas ainda apareciam no camarão descascado, assim como essa bela Maria-Luiza.

Pequena Maria-Luiza fisgada pelo meu pai com camarão descascado

Pequena Maria-Luiza fisgada pelo meu pai com camarão descascado

Mas colocando isca grande, sempre vinha peixe grande!

Corvinossaura provavelmente record do dia com mais de 3kg

Corvinossaura provavelmente record do dia com mais de 3kg

Corvinossauras que faziam o molinete cantar bonito!

Corvinossauras que faziam o molinete cantar bonito!

Uma pausa para uma famosa Preula do cascalho…

Enguia aparecendo para estragar o chicote

Enguia aparecendo para estragar o chicote

Enquanto isso o nosso guia Fernando, seguia detonando com as belas corvinas.

Mais uma bela corvina pelo Fernando

Mais uma bela corvina pelo Fernando

Até que depois de muita, muita insistência… meu primo Alan se rende a 3 varas montadas exclusivamente para capturar a corvina. E finalmente a hora havia chegado, fisgando logo uma gigante!

Alan estreando a sua corvinada em estilo!

Alan estreando a sua corvinada em estilo!

E finalizando as corvinas com um doublê

E finalizando as corvinas com um doublê

Depois das 13 horas as ações haviam diminuído drasticamente. Com a força da maré já quase acabando e o tempo mudando aos poucos, as 15 horas resolvemos começar o processo de volta para a praia do Perequê, mas claro, curricando!

E insistindo durante todo o trajeto, eis que surge o peixe que estávamos procurando! Apesar de pequeno, um bonito exemplar de Sororoca apareceu para alegrar a nossa saideira!

Sororoca fisgada na isca Rapala Magnum

Sororoca fisgada na isca Rapala Magnum

E assim finalizamos mais um dia de pescaria novamente no Parque dos Corvinossauros, vulgo, Perequê.

A época agora é muito boa para quem deseja fazer uma boa pescaria de corvinas e também insistir no corrico e sardinha boiada atrás das Sororocas. São 2 peixes muito característicos das águas frias do inverno, porém em 2 estilos de pescarias totalmente diferentes, mas que ainda podem encaixar em um mesmo dia de pescaria.

Abaixo algumas fotos das iscas utilizadas para curricar.

Rapala Magnum XRMAG-5 e Rapala Magnum CD11

Rapala Magnum XRMAG-5 e Rapala Magnum CD11

Detalhe do dente que o espada deixou de "brinde" na isca

Detalhe do dente que o espada deixou de “brinde” na isca

Espero que tenham gostado e até a próxima pescadores!

Abraços,

André Nagae.

  • Decio Serra Neto

    Bela pescaria Nagae, estive ontem por ai com o Alan , o Jose e o Banzai, mas tava fraco fraco …

    Ainda sim foi bem divertido e um prazer pescar com esses caras ^^ … grande abraço e que venham muitas mais.

    • fishingstories

      Grande Décio! Uma pena eu não ter conseguido acompanhar vocês devido a alguns compromissos que tive aqui em São Paulo. Seria memorável uma pescaria com você e o José Souto, grandes seguidores do nosso blog! Infelizmente as condições de pesca neste final de semana estavam realmente desfavoráveis.. mas em uma próxima acertarão!
      Abração e valeu pelo comentário!

      • Decio Serra Neto

        Opa valeu André…. estou certo que não faltaram oportunidades … grande abraço…

  • Alexandre

    Não consegui encontrar o app MyFS na Apple Store. Está disponível? Se sim, pode passar mais detalhes para baixa-lo? Obrigado

    • fishingstories

      Olá Alexandre! Geralmente se você pesquisa somente por MyFS já aparece nos resultados de busca. Mas vale lembrar que o aplicativo só está disponível na Apple Store brasileira. Segue o link na Apple Store: https://itunes.apple.com/br/app/my-fishing-stories/id718222606?mt=8

      Abraços! E qualquer problema é só nos contactar.

  • Luciano

    Muito legal essa pescaria no perequê, quanto sai em média o barco e que tipo de equipamento você usa?