Pages Menu

Postado por em 25 out 2013 em Água salgada, Destaque, Fishing Stories | 0 comentários

Dia fracassado no Perequê / Guarujá SP

Dia fracassado no Perequê / Guarujá SP

Bom dia pescadores!

Neste último domingo (20/10/2013) descemos mais uma vez para o Perequê para fazer uma pescaria em alto mar com o guia Fernando. Devido na semana anterior o litoral de SP ter sido bastante castigado pelos fortes ventos e temporais, a nossa expectativa na pescaria já não estavam tão grandes. Mas mesmo assim fomos lá conferir!

A caminho da pescaria

A caminho da pescaria

Chegando ao Perequê, notamos que muitos barcos não haviam saído para pescar. Portanto o movimento por lá estava muito tranquilo. Apenas alguns caiçaras se preparando para a pescaria de arrasto e alguns pequenos grupos como o nosso marcando presença por lá.

Amanhecendo no Perequê

Amanhecendo no Perequê

Conversando com o Fernando, existia uma grande preocupação dos pescadores devido ao terrível incidente no porto de Santos. Como era bem recente, haviam grandes dúvidas sobre a produtividade nas pescarias pela região de Guarujá-Santos.

O barquinho do Fernando que nos transporta até sua traineira

O barquinho do Fernando que nos transporta até sua traineira

Logo descarregamos as tralhas do carro e já estávamos prontos para embarcar!

Pescadores do dia: Meu Pai, Eu e meu primo Alan

Pescadores do dia: Meu Pai, Eu e meu primo Alan

Traineira do Fernando

Traineira do Fernando

No dia anterior o Fernando nos disse que conseguiram algumas corvinas e espadas lá pela região perto da Ilha da Moela, então como era um bom caminho a se percorrer partindo do Perequê, logo tocamos pra lá.

Barcos fazendo a pesca de arrasto de camarão

Barcos fazendo a pesca de camarão no arrasto

Passando próximo a Ilha do Arvoredo, lógico que não podia deixar de curricar!

Navegando e corricando

Navegando e curricando

Meu primo Alan também seguia curricando. Ele com uma X-RAP 10 de cor Purple Ghost e eu com uma Rapala Magnun Countdown.

Alan insistindo no currico também

Alan insistindo no currico também

Foram aproximadamente 1h30 de trajeto, mas apenas com uma ação de um peixe perdido com o Alan e mais nada.

Logo ao chegarmos no point nos deparamos com um mar lindo e liso! A correnteza também estava boa e muito propícia para nós que íamos pescar apoitado em busca das corvinossauras.

Mar tranquilo neste domingo

Mar tranquilo neste domingo

Mas ação mesmo que era bom, nada.

Estávamos tentando de todas as maneiras! Camarão no fundo, sardinha boiada, sardinha na meia água, banzai rig, pincho e nada!

Conversando com os demais pescadores no rádio amador, Fernando descobriu que o problema era geral. Mas como neste exato ponto foi o único local que ele tivera sucesso no dia anterior, resolvemos dar mais uma insistida por lá.

E por volta de, acreditem, 12:30, foi quando tivemos a nossa primeira ação. Uma bela corvina do Fernando!

Bela corvina do Fernando

Bela corvina do Fernando

Já serviu para animar!

Mas infelizmente no fundão somente essa corvina apareceu…

E pouco tempo depois meu primo tira uma espada que estava presa a bóia kkkkkk

Alan e sua espada

Alan e sua espada

Um bom tempo depois, mais uma pescadinha amarela.

Pescadinha amarela

Pescadinha amarela

Mas a coisa estava realmente fraca!

Já que não tinha peixe o jeito era comer, e resolvemos assar um churrasquinho enquanto o Fernando nos levava a um outro ponto para ao menos pegarmos algumas espadas.

Churrasquinho pra animar

Churrasquinho pra animar

Mesmo assim tivemos zero ações! Incrível, acho que foi uma das piores pescarias da minha vida em uns 10 anos.

Fazia muito tempo que não voltava sapateiro ou dedão, para casa. Uma sensação amarga de indignação e frustração.

Mas como diz aquele velho ditado “Um dia é da pesca e o outro do pescador”, e definitivamente não foi o meu dia!

Retornando ao Perequê

Retornando ao Perequê

Voltando ao Perequê, conversamos com os locais e todos os barcos que haviam voltado da pescaria estavam frustrados, com pouquíssimos peixes fisgados e sem nada de ações.

Muitas dúvidas foram geradas pela baixa produtividade do dia, talvez a influência da água contaminada em Santos, talvez o abuso das pescarias de arrasto e cerco que estavam sendo feitas na região ou talvez simplesmente por falta de sorte.

Dúvidas as quais no meu ver, nunca serão respondidas e a única solução para resolver o problema da frustração é marcando uma nova pescaria!! E que venham as próximas!

 

Abraços e boas pescarias!

André Nagae.