Pages Menu

Postado por em 24 abr 2014 em Água salgada, Destaque, Fishing Stories, Pescarias | 5 comentários

Mergulho na Laje de Santos

Mergulho na Laje de Santos

Minhas aventuras nas férias continuam! Agora com o mergulho que fiz no final de semana posterior à pescaria de Paraibuna.

Laje de Santos

O Parque Estadual Marinho da Laje de Santos (PEMLS) foi criado em 27 de setembro de 1993, através do Decreto Estadual nº 37.537. O PEMLS é o primeiro parque marinho dentre as Unidades de Conservação do Estado de São Paulo e tem como objetivo a proteção do ambiente marinho. (Fonte: http://lajeviva.org.br/port/parque/).

Nele é terminantemente proibida a pesca ou qualquer outra atividade de extração de vida marinha, portanto, este que vos escreve foi lá apenas para observar, como é uma unidade de conservação, os animais marinhos por lá são menos ariscos e ótimos para se fotografar e ver os seus comportamentos.

Mergulho

Comecei a mergulhar em 2009 e para quem não sabe, para praticar mergulho autônomo (com cilindro de ar-comprimido) é necessária uma certificação. As duas entidades certificadoras que se destacam no Brasil são a NAUI e a PADI. Para conseguir essa certificação você necessita de um curso, que possui horas de aula teórica, aulas na piscina e finalmente, um teste final no mar. Ainda assim há restrições e regras a serem cumpridas sempre. Sempre fui apaixonado por vida marinha, poder mergulhar é basicamente ver o documentário que assistia na TV ao vivo! E como pescador, há muito a aprender no mergulho.

E como foi o dia?

O tempo não estava dos melhores, ou seja, a navegação foi comprometida no caminho todo, levando mais tempo que o esperado e agitando o estômago mais do que o normal (passei um pouco mal). Mas depois de 2 horas balançando, lá estávamos, com a bela paisagem da Laje e a quantidade sem igual de pássaros. O melhor remédio para passar o mal estar, costuma ser ir direto pra água e foi isso que fiz!

Depois de uma navegação difícil, nada melhor que pular na água para afundar!

Depois de uma navegação difícil, nada melhor que pular na água para afundar!

Com a equipe definida, afundamos e já era possível ver uma quantidade sem igual de peixes. Infelizmente minha câmera apresentou problemas no primeiro mergulho e perdi praticamente todas as fotos, inclusive trocentas fotos de uma tartaruga amistosa que eu consegui me aproximar. Mas como não sou tão azarado, meu amigo, meteorologista e ex-professor de inglês Vlamir estava filmando o momento.


Vídeo por Vlamir da Silva Júnior

Já no segundo mergulho, tivemos mais dos mesmo peixes e a ausência total das tartarugas.

Donzelas do rabo amarelo.

Donzelas do rabo amarelo.

O interessante da Laje, é que algumas espécies alcançam tamanhos não tão usuais.

Marimbá, ou seria Marimbão? Os da laje são enormes!

Marimbá, ou seria Marimbão? Os da laje são enormes!

E outras espécies, geralmente muitos ariscas, permitem a aproximação.

Salemas que costumam ser ariscas em outros pontos, na Laje de Santos formam cardumes e não se importam com a aproximação.

Salemas que costumam ser ariscas em outros pontos, na Laje de Santos formam cardumes e não se importam com a aproximação.

Enquanto eu passeava lá embaixo, um grande cardume de Carapaus passou por mim, mas até eu conseguir fotografar alguma coisa perdi a maioria dos peixes.

Um grande cardume de Carapaus passou por mim, o máximo que consegui registrar foi isso.

Um grande cardume de Carapaus passou por mim, o máximo que consegui registrar foi isso.

Haviam Frades bem grandes também, esses são comuns na Ilha de Búzios, próxima de Ilhabela. Verdadeiras panelas! rsrs

O peixe Frade é um dos meus favoritos para fotografar, por conseguir olhar apenas de lado, eles acabam sempre posando para uma boa foto.

O peixe Frade é um dos meus favoritos para fotografar, por conseguir olhar apenas de lado, eles acabam sempre posando para uma boa foto.

Minha diversão nos mergulhos é encontrar os peixes que costumo pescar e observar o que estão fazendo da vida, em geral eles são os mais ariscos e permanecem afastados.

Sargo-de-beiço de bom porte, esse já era mais arisco.

Sargo-de-beiço de bom porte, esse já era mais arisco.

Haviam Garoupas de bom porte, creio que acima dos 10kg. É engraçado vê-las tentando se esconder e quase não cabendo em nenhuma toca.

Um tanto arisca a Garoupa, não consegui me aproximar mais para ter uma referência de tamanho na foto, mas ela deveria pesar uns 15kg.

Um tanto arisca a Garoupa, não consegui me aproximar mais para ter uma referência de tamanho na foto, mas ela deveria pesar uns 15kg.

As Corcorocas-boca-de-fogo formam cardumes enormes, fica fácil entender porque elas acabam com as iscas naturais.

É inevitável trombar cardumes gigantescos de Corcorocas.

É inevitável trombar cardumes gigantescos de Corcorocas.

Os pequenos peixes estão presentes também, com um bom equipamento de fotografia sub, é possível tirar boas macros.

Peixes menores que um palito de dente.

Peixes menores que um palito de dente.

Mais um exemplo de tamanho incomum de determinada espécie (ao menos para mim), alguma pirajicas ficam enormes, com uma coloração diferente e inclusive pintas e manchas, quase não reconheci a espécie.

As Pirajicas quando passam certo tamanho, passam a ter cores e manchas diferentes na água, primeira vez que vi desse porte! Por volta dos 3kg.

As Pirajicas quando passam certo tamanho, passam a ter cores e manchas diferentes na água, primeira vez que vi desse porte! Por volta dos 3kg.

Os ariscos Cirurgiões também marcam presença, muito belos.

Peixes-cirurgiões, sempre presentes em regiões de corais.

Peixes-cirurgiões, sempre presentes em regiões de corais.

As vezes é possível ver a interação entre espécies bem diferentes.

Uma foto e 3 espécies!

Uma foto e 3 espécies!

A Laje de Santos é o único lugar que mergulhei que vi Salemas formarem cardumes, normalmente as vejo solitárias e sempre fugindo. Essas daí não ligaram muito para a presença do japonês descabelado com uma câmera na mão.

Cardume de Salemas, só vejo cardumes desse jeito na Laje de Santos. Em outros pontos de mergulho eu sempre as vejo solitárias.

Cardume de Salemas, só vejo cardumes desse jeito na Laje de Santos. Em outros pontos de mergulho eu sempre as vejo solitárias.

Mesmo peixes que odeio pescar, são benvindos para aparecer na frente da câmera, o Jaguareçá sempre rende alguma foto bonita.

O terror dos desavisados, Jaguareçá.

O terror dos desavisados, Jaguareçá.

E por último, fotografei uma pescada que passou por mim. Peixe comum, porém muito bonito.

Pescada-goete passeando por lá também.

Pescada-goete passeando por lá também.

Depois disso, tomamos o rumo de volta para a Marina localizada em São Vicente e pegamos uma bela chuva ao desembarcar, experiência diferente, mas que tem muito a ensinar sobre o foco de nossas pescarias: os peixes. Pretendo voltar a mergulhar com maior frequência, assim posso complementar o que sei sobre nossos amados peixes!

Quem tiver interesse em mergulhar ou saber sobre mergulho, meu amigo Allan possui um grupo de mergulho que sempre está organizando saídas para os points de mergulho próximos de SP, acessem http://www.tocadomergulhador.com.br/ e se tiverem alguma dúvida sobre mergulho, sintam-se a vontade para comentar aqui também!

Abraços!!!

  • Douglas / Toca do Mergulhador

    Boa Banzai, Excelente Post 🙂 Parabéns !!!

  • Paulo De Tarso Dualiby

    Ótimo post/aula! Excelente didática professor!

  • Decio Serra Neto

    Parabéns pela aventura Banzai, preciso mostrar essa para minha esposa… ela morre de vontade de mergulhar

  • Marcelo Lanzara

    Sensacional cara!!!

  • marcelo silvestre

    Senssacional esse post, parabéns….