Pages Menu

Postado por em 22 jan 2014 em Água salgada, Destaque, Fishing Stories | 4 comentários

Pegadeira de bicudas no perequê.

Pegadeira de bicudas no perequê.

Salve amigos pescadores.

Sábado com previsão do tempo maissss ou menosssss, combinei com o companheiro Antonio uma saída para Bertioga, talvez tentar uns robalos no canal isso se o vento sul viesse com a força prometida nas previsões.

Assim, logo cedo pegamos o barco na marina, compramos camarão vivo com o Pedrinho, Levei a vara de Banzai Rig, a vara de pincho e por último, só por precaução, a vara de cascalho.

Como gosto muito de pescar no mar e em consequência da chuva a água do canal estava bem suja! Resolvi fazer como nos últimos dias de previsão ruim, sair em locais bem pŕoximos a barra e voltar ao primeiro sinal de vento. Faço isso por vários motivos:

– Calor no mangue.
– Mosquitos.
– Poucas ações.
– Excesso de lanchas passando por conta do verão.

Assim logo após pegar os camarões estávamos passando a barra.

Mar liso, porém com o tempo "fechado"

Mar liso, porém com o tempo “fechado”

O mar estava absolutamente calmo, pra não dizer parado! Mas haviam umas nuvens não muito amigáveis.

Será que o vento sul prometido pelo wind guru vem ?

Será que o vento sul prometido pelo wind guru vem ?

A previsão de vento sul me fez por cautela ficar no parcel da barra para começar a pescaria.

E por lá eu mal desci o camarão vivo e já peguei algo, pena que era muito pequeno…rsrsrs

tirando o dedo com uma michola.

tirando o dedo com uma michola.

Como só haviam ladrões de iscas no parcel da barra, partimos para a Ilha dos Guarás.

A bela ilha dos guarás

A bela ilha dos guarás

Por lá o companheiro Antonio tirou o dedo com uma tamburutaca. Esse animal é muito perigoso, ele dispara com sua cauda e pode machucar muito! O recomendado é que você o manuseie a uma distância segura e caso queira comê-lo congele antes de mexer, já que depois de morto o animal é inofensivo.

Sua carne lembra a da lagosta, quando o animal possui um bom tamanho pode ser cozido na água e degustado! Esse, por ser pequeno, foi devolvido ao mar para que cresça.

Antonio e uma tamburutaca.

Antonio e uma tamburutaca.

Como nos Guarás só haviam tamburutacas, eu fui para o Parcel dos Porquinhos, onde ví um mergulhador com um belo Robalo-flecha arpoado. Mas apesar da insistência no local com camarão vivo, só capturei as velhas amigas cocorocas. rsrsrs

As sempre presentes cocorocas.

As sempre presentes cocorocas.

O companheiro Antonio teve um pouco mais de sorte e pegou um badejinho-mira.

um badejinho mira pra começar a animar!

um badejinho mira pra começar a animar!

Insistimos por quase uma hora neste parcel, depois de ver o belo flecha com o mergulhador, mas infelizmente aquele devia ser filho único ou então o cardume foi afugentado pelos pescadores-sub.

Como o ponto não rendeu nada, fomos para o cascalho próximo aos Guarás onde haviam duas traineiras, por lá as ações demoraaavam para ocorrer, porém o primeiro peixe foi bom! Uma bela bicuda!

finalmente um belo peixe! Bicuda !!

finalmente um belo peixe! Bicuda !!

Olhos sempre atentos ao sul esperando pelo tal vento que não vinha.

cadê esse vento sul que não vem ?

cadê esse vento sul que não vem ?

Enquanto isso o Antonio pega um belo papa-terra na lula.

Antonio e um belo Papa-terra.

Antonio e um belo Papa-terra.

E na sequência uma bicuda na sardinha!

Antonio e sua primeira bicuda do dia.

Antonio e sua primeira bicuda do dia.

Como as ações pararam de vez, decidimos mudar de ponto. Nesta hora uma pessoa sensata e precavida voltaria pro canal, pois todos os locais próximos já haviam sido explorados e a previsão não autorizava ir a pontos mais distantes!

Contudo eu sou “meio louco” e resolvi ir até o cascalho do perequê para ver como os barcos estavam se saindo.

cardume de barcos no cascalho do perequê!

cardume de barcos no cascalho do perequê!

Lá chegando achei todas as traineiras, lanchas e barcos do mar juntas! Até então estava estranhando não ver nenhuma das traineiras de Bertioga no cascalho de lá.

Quando larguei as duas sardinhas entendi porque estava todo mundo lá!

Duas bicudas ao mesmo tempo!

Duas bicudas ao mesmo tempo!

O local estava infestado de bicudas, ai começou a pegadeira!
Queríamos algum dourado, até perdi uma puxada muito violenta que só não levou a vara pro mar graças ao fio do motor elétrico que enroscou nela…rsrsrs porém o peixe não fisgou!

O único dourado que vimos por lá tinha o casco meio duro… rsrsrs

O único "Dourado" do dia. rsrs

O único “Dourado” do dia. rsrs

Mas devo confessar que não estava “preparado” para os dourados, não levei boia e levamos pouca sardinha e sabem por quê?
Lembram aquela previsão de vento sul forte ? rsrsrs

Entretanto a brincadeira com as bicudas estava muito show! Então um brinde dos bons para comemorar!

um brinde "a altura" da bela pescaria.

um brinde “a altura” da bela pescaria.

Sem querer, nos vimos rodando ao lado do barco do nosso amigo e experiente guia: Fernando Itano.

O Barco do experiente Fernando Itano.

O Barco do experiente Fernando Itano.

Rodar ao lado do barco dele não podia dar outra né ?
Doublês frequentes de bicudas!

Muitos Doublês de bicudas.

Muitos Doublês de bicudas.

Era uma atrás da outra!

Da-lhe Bicuda!

Da-lhe Bicuda!

Tá tudo muito bom , tá tudo muito bem mas tínhamos um problema. Bicudas comem sardinha e estávamos ficando sem sardinha por culpa do windguru.

O belo cascalho do perequê

O belo cascalho do perequê

A solução encontrada foi encostar na praia do perequê e comprar mais sardinhas!

Pausa para comprar mais sardinhas.

Pausa para comprar mais sardinhas.

Perdemos uns 40 minutos e alguns litros de gasolina nessa operação, mas logo estávamos “de volta aos trabalhos”.

De volta aos trabalhos.

De volta aos trabalhos.

E nem preciso dizer que valeu a pena né?

Com sardinha nova mais bicudas!

Com sardinha nova mais bicudas!

Aos poucos os barcos foram retornando e por volta das 17:00 estávamos somente nós dois no imenso cascalho do perequê.

Próximo as 17:00 ficamos só nos no cascalho.

Próximo as 17:00 ficamos só nos no cascalho.

Como tudo que é bom acaba! E principalmente tempestades de verão são bem perigosas por conta dos raios, decidimos voltar pra Bertioga.

voltando pra bertioga.

voltando pra bertioga.

Lá chegando a chuva se anunciava bem próxima.
Como já havíamos pego muitos peixes e estávamos cansados, decidimos encerrar a brincadeira!

A chuva "ameaçava"

A chuva “ameaçava”

Assim foi mais um dia amigos pescadores. Um dia em que o Windguru errou e o temido vento sul não veio! Porém acertou quem manteve as precauções e pecou pelo excesso, pois com o mar não se brinca e vento sul torna a vida do navegante bem complicada!

Abração.
Pleffer.

  • Decio Serra Neto

    Bela aventura Pleffer parabéns amigo, e que venham outra mais… voltar para a cidade para buscar mais isca é muito vicio meu amigo ^^

    • Tiago Pleffer

      rsrsrsr vício ? que é isso… kkkkkkkk
      Valeu pelos comentários amigo!
      Abração…
      Pleffer.

  • Alexandre

    Se for fazer uma pescaria dessas ou parecidas no carnaval e tiver uma vaga. Avisa ai.

    • fishingstories

      Fala Alexandre, tudo bem?
      Amanhã (sexta-feira 07/03), o Pleffer fará uma pescaria noturna a bordo de uma grande traineira na ilha da Queimada Grande saindo de Itanhaém. Você teria interesse em fazer parte deste grupo de pesca?

      A previsão é sair as 19hrs de SP, existe ainda vaga em um carro saindo do Ipiranga-SP. Retorno previsto no sábado umas 16hrs. Valor da pescaria com iscas inclusas R$150 – R$200. Ainda terá um churrasco com o peixe que pescarem a bordo do barco!

      Caso tenha interesse é só nos falar!
      Abraços.