Pages Menu

Postado por em 19 set 2013 em Destaque, Dicas, Fishing Stories, Montagem, Técnica | 21 comentários

Pescando com Jumping Jigs (Canal e Costeira)

Pescando com Jumping Jigs (Canal e Costeira)

Bom dia amigos pescadores, depois de muitos comentários que recebemos em nossas redes sociais, finalmente terminamos essa matéria sobre a pesca com Jumping Jigs, em canal e costeira. Para facilitar o entendimento e compartilhar a nossa experiência, separamos a matéria em alguns tópicos para que sirva como um guia para vocês.

O que é o jumping jig?

Detalhe do modelo Pac.

O Jumping Jig (JJ) é uma isca artificial de metal muito utilizada principalmente na pesca vertical. Como o nome indica, o trabalho dele dentro da água se assemelha a pulos, e dependendo do seu formato, esses pulos podem ser erráticos e aleatórios, simulando algum ser fazendo uma zona no local. Com este trabalho repetitivo ele costuma chamar a atenção dos predadores, por N fatores, como: Defesa de Território, Irritação e Curiosidade.

 

Quais os melhores locais para utilizar o Jumping Jig?

Os melhores locais para utilizar o Jumping Jig, são os que possuem alguma estrutura promissora no fundo (mas também vai enroscar pra kct), tais como: tocos de árvore, galhadas, poços no canal, estruturas submersas de concreto, lajes e pedrarias no costão.

Típica costeira boa para o uso do Jumping Jig.

Canais e mangues são promissores para os JJs mais leves, de 14gr a 24gr.

Lógicamente que quando o peixe está encardumado, essas estruturam são menos relevantes para a eficiência do jumping jig.

 

Peso

Jumping Jigs NS com variadas cores e pesos.

Seus modelos variam de 14gr a 200gr, mas como costumamos utilizar os jumping jigs para pesca de canal e costeira, vamos focar nos modelos mais leves para esta matéria.

Em nossas pescarias, costumamos utilizar os JJs nos pesos de 14 a 24 gramas, sendo que essa variação de peso depende da profundidade e força da maré no local. É muito importante que você sinta a isca bater no fundo e através do trabalho vertical fazê-la dar pulos erráticos subindo e descendo, portanto verifique se o peso que você está utilizando é o correto.

 

Formatos e Cores

Os Jumping Jigs de formatos assimétricos são os que tem o melhor trabalho devido ao seu movimento errático. Por isso que os modelos PAC e Tera da NS são os nossos preferidos e por sinal, os que mais tivemos efetividade até agora. Com as suas peculariedades o PAC chama a atenção pelo seu trabalho de pulos parecendo com um sapo e o TERA com a sua especialidade de ter a faixa holográfica em um dos lados.

Jigs com modelos e cores variadas.

Jumping Jig TERA em ação

Jumping Jig PAC sendo trabalhado

Em relação as cores, vale a mesma regra para as iscas artificiais em geral, ou seja, prefira as cores constrastantes a cor da água.

Mas também temos as cores clássicas e preferidas pelos pescadores de robalo, são elas: Cromado, Preto com laranja (pata de caranguejo), Laranja com rosa, glow e verde limão.

 

Montagens

Antigamente ainda encontrávamos Jumping Jigs a venda com garatéia, porém acredito que não é mais comercializado este tipo de montagem devido ao JJ trabalhar sempre encostando no fundo e a garatéia é um grande implicante para este tipo de trabalho. E é por isso que a forma mais eficaz de montar os JJs é com os famosos Assist Hooks.

A esquerda o assist hook comum, a direita o modelo que o Guia Nê nos ensinou.

O assist hook, nada mais é do que um suporte que prende o anzol junto a parte superior do jig (Na maioria dos Jigs o assist hook é preso no lado que coincide com os olhos, exceto no PAC/Sapinho/Lulinha que se prende no lado inverso ao dos olhos). O tamanho ideal costuma ser de 3/4 do tamanho do jig e é utilizado em pares, mas em estruturas que enroscam demais, pode-se usar apenas 1 afim de tentar evitar maiores transtornos. Uma de suas vantagens é a leveza, pois quando o peixe ataca a isca, acaba sugando os assist hooks com mais facilidade.

Abaixo temos 2 modelos de Suporte Hook que costumamos utilizar:

– O comercializado nas lojas de pesca;

Montagem comum com Snap, Assist Hook e Jig.

– E o montado manualmente, no que eu chamo de Nê Rig (devido ao guia Nê ter me ensinado essa montagem), que consiste em um suporte hook feito a partir de Split Ring, Girador e Anzol de robalo (wideGap). O Nê criou esta versão do suporte hook a fim de capturar os grandes peixes na costeira.

Nê Rig, montagem idêntica ao Assist Hook Comum.

 

Trabalho da Isca

Há varios trabalhos para se utilizar no dia da pesca, eu prefiro os toques curtos e secos, cadenciados em 1 e 1-2 (fico imaginando um ritmo musical na cabeça) e acompanhando a descida da isca com a ponta da vara, mas pode ser feito um trabalho de toques contínuos únicos e outras variáveis mais ou menos agressivas, sendo esses dois citados os mais usuais. Há também a possibilidade de ir trabalhando o JJ em diversas profundidades, mas isso trataremos num outro post pois se assemelha mais a pesca vertical pesada.

Recentemente também descobrimos uma nova maneira para trabalhar o jumping jig na meia-água, técnica que é muito eficiente quando existe ardume de peixes como os Carapaus, Bicudas, Salteiras, Dourados e etc.. Basta você arremessar a isca, deixar cair até a profundidade desejada (no caso do vídeo abaixo, os peixes estavam se alimentando 5 metros abaixo da superfície) e vir recolhendo a isca com toques secos e trabalhando o máximo possível na faixa de profundidade desejada.

Já em águas profundas o trabalho da isca é um pouco mais diferente. Confiram o vídeo abaixo de uma pescaria do Banzai nos parcéis de Iguape.

 

Navegação

Quando pensamos em jigar embarcados, a primeira ideia que se vem em mente é a pescaria de rodada, mas vocês sabem por que ela é a ideal? Trata-se da vantagem de passar por vários pontos enquanto o barco “roda” ao sabor da corrente e também porque com o barco se movendo junto da correnteza, todo o conjunto se movimenta sincronizado, evitando que a correnteza arraste a linha e atrapalhe no trabalho do jig. Mas se não houver jeito, há como tentar trabalhar o jig poitado na correnteza:

1 – Arremessar contra a correnteza e vir trabalhando ele até chegar até o barco.
2 – Arremessar contra a correnteza e trabalhar com o carretel da carretilha solto, essa é a mesma técnica da “rodadinha” utilizada para a pesca de Piaparas no Rio Paraná. Corre-se o risco de errar uma fisgada, pois o freio será o dedão, mas as vezes esse pode ser o diferencial para você pegar algum peixe e cobrir uma área maior de trabalho do jig.

Equipamentos Recomendados

Varas de até 20lb, com molinete ou carretilha (prefiro a carretilha por poder utilizar a técnica da “Rodadinha”) com passadores anti-enrosco e no caso de carretilhas, melhor que a vara seja Torqued , isso vai evitar aqueles fucking enroscos e nós de linhas ocasionados pelo trabalho das iscas. Existe também a opção de varas próprias para light jigging no mercado além claro das Custom Rods, que abordaremos em breve.

Multifilamento?

Multifilamento na carretilha é altamente recomendado.

Com certeza recomendamos o uso de multifilamento, o multi possui inúmeras vantagens para o uso de jig, mas as principais são:
1 – Baixíssima elasticidade, o que ajudará na precisão do trabalho e da fisgada.
2 – Diâmetro menor da linha, causando menos arrasto.

É possível trabalhar jig com monofilamento? É, mas você terá muitas desvantagens e na maioria das vezes a pescaria se tornará impraticável, principalmente em profundidades acima dos 5m.

 

Capturas

Os Jumping Jigs além de se mostrarem muito eficientes, também são capazes de capturar muitos tipos de peixes, tais como:

Robalo, Pescada, Corvina, Oveva, Peixe-Espada, Michole, Baiacú, Sargo, Pampo, enfim, praticamente todos os peixes de canal e costeira. Uma verdadeira isca universal que em diversos momentos podem salvar a pescaria.

Abaixo alguns vídeos de capturas com o Jumping Jig.

 

Esperamos que tenham gostado desta matéria e se tiverem alguma dúvida, por favor, não hesitem de nos escrever um comentário.

Abraços e boas jigadas!

Equipe Fishing Stories.

  • Lincoln Donizete Gabriela Merc

    Show, meu primeiro robalo foi com um Jumping Jig esta eu Banzai e Pleffer. Não vejo a hora de repetir a dose.

    • http://www.fishingstories.jp/ Fishing Stories

      E foi um ótimo Robalo! Você demonstrou que leva jeito pra coisa! Mas me orgulho de falar que foi 1 minutos depois de eu te dar a dica do trabalho da isca!!! kkkk Abraços!!!

  • http://www.brunoassis.org/ Bruno da Silva Assis

    Ótimo artigo!

    Gostei muito dos GIFs demonstrando a utilização no aquário, bem legal!

    • http://www.fishingstories.jp/ Fishing Stories

      Valeu Charles!!! 😀

  • Gilmar Machado de Moura

    Ótimo artigo mesmo !

    so uma duvida em relação a vara , comprei uma Clarus Shimano de 25lb . Ela também serve ? tem alguma dica de uma outra vara apropriada ?

    Grato !

    • http://www.fishingstories.jp/ Fishing Stories

      Olá Gilmar! Que bom que gostou do artigo! Então, essa vara que você citou eu acredito que seja apropriada para pincho de plugs, com essa libragem e ação rápida, provavelmente você terá dificuldades em sentir o fundo e os passadores vão enroscar no trabalho do Jig. Eu (Banzai) uso para Jig uma NS Snook Torqued de 17 libras, em geral alguma vara com essa libragem e Torqued vai te atender muito bem. O Nagae usa uma vara Custom, feita pelo Waka Custom Rods que é perfeita! Abraços!

  • William

    Parabéns pela matéria, André!
    tenho acompanhado o blog e vejo que muitos pescadores têm sido auxiliados com as dicas aqui postadas.
    Logo mais os Dunn de 10g, 18g e 26g estarão disponíveis nas lojas, assim como o Pac de 14g!
    Os robalos que se preparem!!! Abs

  • Danilo Rodrigues Martins

    Nossa Show de bola…muito boa a explicação…
    abraços

    • http://www.fishingstories.jp/ Fishing Stories

      Muito obrigado Danilo! Espero que isso ajude em suas capturas! Abraços!

  • Edson Eiti Inumaru

    E ae Nagae Blz? show de bola seu blog…os videos são bacanas….vou pescar em Santos nos tubos em novembro e gosto de usar jumping jig…as vc usa para pesca de Robalos são boas pra alto mar tbm? camarões artificiais tem algum resultado tbm? quais as cores vc me indica? se puder me ajudar agradeço….abraço

    • fishingstories

      Fala Edson, tudo bem?
      Obrigado pela visita e elogios ao nosso trabalho no Fishing Stories! 🙂
      Cara esses jumping jigs que eu uso pra Robalo, não são os ideais para se trabalhar com profundidades de 15 a 20 metros, profundidade a qual pescamos em alto mar. Porém, no início deste ano, fiz uma pescaria de dourados em alto mar, em que capturei alguns utilizando o Jumping Jig Pac de 24 gramas, trabalhando na superfície com algumas leves pindocadas e recolhendo. Deu muito sucesso!

      Acredito que se o peixe estiver encardumado deva pegar sim. Mas ele é muito mais produtivo em locais onde temos a estrutura de pedras, tocos e galhadas ao fundo.

      Já o camarão artificial, esse acredito que tenha mais probabilidade de pegar algum peixe lá no fundão. Assim como corvinas e pescadas.

      Para a água azul do mar, recomendo o Rosa com branco, Laranja, Glow e as que tem a lateral holográfica, assim como o Tera.

      Depois nos conte se teve resultados!
      Abraços e boas pescarias.

      • Edson Eiti Inumaru

        Valeu Nagae pelas dicas…estou começando agora a pescar com artificiais então toda dica ajuda hehehe….vou tentar varias até pq vamos fazer uma pescaria de 18 hrs então vou ter um bom tempo, pode deixar assim que voltar dessa pesca eu posto….eu vi o video que vc postou dos dourados vc tem um barco pra me indicar para essa pescaria de dourados? abs e obrigado pelas dicas…

  • Arturo Kleque Gomes Neto

    Show de bola a matéria! Parabéns!!!
    Só uma dúvida, vcs usam leader de mono na montagem?
    Abs

    • http://www.fishingstories.jp/ Fishing Stories

      Olá Arturo! Obrigado por comentar e boa pergunta! Esquecemos de citar que sempre usamos o leader de fluorcarbono, ele é essencial pois resiste melhor ao contato com estruturas como pedras e galhadas. Atualizaremos o artigo para falar disso também 🙂

      Abraços!

  • Thiago Araujo de Oliveira

    Parabéns pela matéria,

    Acompanho fishing storie gostaria de uma opinião sua pesca com carretilha na minha região, quais iscas usar, linha, tenho uma caretilha shimano caius 200, qual vara ??? pesca embarcada na costeira
    https://maps.google.com.br/maps?q=-23.59502,-45.262348&num=1&t=h&z=15

    Caragutatauba São paulo

    • http://www.fishingstories.jp/ Fishing Stories

      Olá Thiago! Desculpe a demora, eu gosto de usar equipamento de 14 a 17 libras (de 5’6″ a 6’6″) para esse tipo de pescaria! Linha multi de 15lb + leader de 20lb (fluorcarbono). De isca eu uso softs (camarão ebi da NS, nas cores chá com vermelho, chá e verde limão) e os jumping jigs da NS tb, modelo pac principalmente! Não esqueça de nos contar como foi a pescaria por lá 🙂

  • Aquarios

    Excelente materia e conteudo , profundidade de conhecimento em cada detalhes desde novos pescadores ate os com maiores podem utilizar o conhecimento.
    Sou pescador e efetuei a compra no site http://www.acquafishonline.com.br , adquiri iscas artificiais nunca visto antes , a que eu realmente gostei e indico é lula com suporte hook Jump Jig com peso 140gramas

  • Thiago Araujo de Oliveira

    como se trabalha o camarão?

  • Wagner Falconi

    Boa tarde!!
    Parabéns pelas ótimas matérias!
    Sou iniciante na pesca com artificiais, (alias nunca pesquei com elas, rs), gostaria que me indicasse uma boa carretilha (pois sempre uso molinetes), e iscas JJ, para iniciar.

    Obrigado.

    Wagner Falconi.

  • Gustavo

    Ótima materia.
    Eu queria saber como utilizar, trabalhar os JJs na horizontal pois pesco na costeira, lançando a isca das pedras para o mar.
    Grato.

  • sergio_as

    Ótima matéria, comecei a pescar com os JJ de caiaque e essas dicas foram espetaculares. Muito obrigado mesmo!