Pages Menu

Postado por em 16 maio 2017 em Água salgada, Destaque, Fishing Stories | 2 comentários

Temporada de Corvinas 2017

Temporada de Corvinas 2017

O inverno se aproxima e junto dele chega a época dos peixes que habitam as águas frias. Para quem gosta de pescar em traineira, assim como eu, sabe muito bem que é no inverno que encontramos as pregerebas, espadas, sororocas e também as famosas corvinossauras do inverno.

Partimos para mais uma pescaria com o guia Fernando Itano, que possui uma traineira na tradicional praia dos pescadores: Perequê (Guarujá/SP).

Início do dia, Fernando nos aguardava com sua chatinha para nos levar até a traineira

Sempre muito animado, Fernando logo nos atualizou do saldo das últimas pescarias na região. E assim como o esperado, as corvinas já estavam se aglomerando em grandes cardumes, tornando assim as pescarias muito produtivas na região.

A única dificuldade da época é que a principal isca utilizada, o camarão, está no período de defeso, sendo possível assim somente encontrar camarões congelados e com conservantes da safra anterior. Para quem não sabe, a utilização do conservante no camarão faz com que ele perca um pouco das suas características naturais tendo diferença significante no resultado da pescaria.

Nesta época sempre deixamos um pouco de camarão congelado sem conservantes em casa, que acabam sobrando das pescarias do robalo. No final, acabam se destacando comparando com os camarões das bancas de peixe.

Pescadores do dia: Alan, Eu, Fernando e meu Pai

O amanhecer nublado na praia do Perequê

Nos dias anteriores, Fernando teve sucesso em um ponto ao sul do Guarujá na profundidade entre 15 e 16 metros. Portanto partimos direto para esse point, e no caminho como sempre, corricando algumas iscas.

Corricando durante o trajeto para tentar alguma Sororoca

Depois de 50 minutos de viagem, preparei logo o cardápio preferido da corvinossaura, que é consituído de uma coxinha com 3 ou 4 camarões iscados inteiros no anzol Circle Hook.

Camarões iscados no anzol circle hook

Não demorou muito até que as corvinossauras mostrassem sinal de vida, e mais uma vez o nosso guia Fernando demonstrou ter muito conhecimento no point delas.

Meu pai e a primeira corvinossaura do dia

A primeira do dia já era uma corvina de respeito, fisgada pelo meu pai.

O Alan não ficou atrás e logo tratou de fisgar uma outra corvina, também muito bonita.

Corvina fisgada por Alan

Já o meu primeiro peixe era apenas um aquecimento, uma jovem corvina que depois da foto voltou pra vida para se transformar em corvinossaura.

Pequena corvina que fisguei

Depois de muito apanhar para os ladrões de iscas, caprichei na coxinha de camarões e fisguei uma já com porte melhor. Mas ainda não era a jurássica…

Corvina briguenta do Guarujá

No mar é muito comum fisgarmos duas variações da Corvina, uma que é mais clara típica de mar aberto e outra que é a famosa marisqueira, que possui o corpo amarelado.

Corvina marisqueira

Corvina branca

As roncadoras garantem muita diversão e esportividade na fisgada

Se aproximando do meio-dia, a maré estava mudando de direção começando a subir. E que subida! A força da maré era tanta que dificultava a nossa pescaria no fundo, fazendo com que utilizássemos 2 chumbos para conseguir atingir o fundo.

Chumbada dupla para atingir o fundo

Na pescaria poitada, a maré com correnteza forte complica a disposição das varas

Depois de ajustar o peso do chumbo, as grandes corvinas voltaram a aparecer, e o destaque foi para essa bela Corvina que já chegava na faixa dos 3kg.

Corvinossaura do Perequê

Valente corvina!

Mais uma vez o anzol Circle Hook se demonstrou muito eficáz para a fisgada certeira

Depois do almoço as corvinas resolveram fechar a boca. Além das ações terem zerado no fundo, a correnteza cada vez ia ficando mais forte e nos impossibilitava de pescar.

Na saideira meu pai fisgou algo muito forte que colocou a prova o equipamento corvineiro, constituído por uma vara Celta Permit de 2,70m e um molinete Daiwa Revros 2500.

Foram 10 minutos de briga quando o peixe resolveu subir para dar as caras, uma arraia enorme que deu um trabalhão para ser liberada do anzol.

Vara Celta Permit trabalhando no limite de sua libragem

Monstrinho que encerrou nossa pescaria

E assim foi mais uma pescaria no bom e velho Perequê.

A temporada de corvinas está só começando e muita coisa boa vem por aí! Ainda não encontramos as Sororocas e Pregerebas, mas quem sabe na próxima pescaria 😉

Voltando pra terra firme

Montagem para pescar a corvina

Guia Fernando Itano

  • (13) 99700-1478

Abraços e boas fisgadas!

André Nagae

  • Fernando Mena

    to querendo ir dia 15/06 pescar com este guia

    • fishingstories

      Fala Fernando! Vale muito a pena conhecer a pescaria com o mestre Itano!
      Veja se ainda consegue alguma vaga durante a semana, pois aos finais de semana creio que só tenha data livre para o mês de setembro. Abraços!